Mês: fevereiro 2016

Bolaños e os números contra os equatorianos

Bolaños e os números contra os equatorianos

Vou falar no comentário das 19h25 do SBT RIO GRANDE – SEGUNDA EDIÇÃO com o comando da Edieni Ferigollo.

Bolaños deverá ser escalado por Roger, “mesmo que tenha que entrar de bengalas” na decisiva partida de quarta à noite, pela Libertadores.

Pelas informações recebidas, o equatoriano está em boas condições físicas e está sendo elogiado por vários jogadores titulares do time.

Se ele tem condições legais para atuar, por qual razão não escalá-lo? Duvido, inclusive, que a própria direção não esteja pensando da mesma maneira.

Mas respeito quem possa estar pensando diferente. Muita gente me falou sobre a ideia de começar o jogo com Éverton, colocando Bolaños no decorrer do confronto.

Agora, uma boa notícia para a galera gremista. O Google Man me trouxe informações positivas a respeito dos enfrentamentos do Grêmio diante dos equatorianos.

LIBERTADORES 1995: 

1.E – 2 x 2  Emelec  Guayaquil – 14/03/1995 – Paulo Nunes e Jardel; 
2.V – 2 x 1  El Nacional Quito – 17/03/1995 – Arce (2);
3.V – 4 x 1  Emelec Olímpico – 31/03/1995 – Jardel, Luciano, P. Nunes e Magno; 
4.V – 2 x 0 El Nacional Olímpico – 07/04/1995 – Jacques e Magno;
​5.E – 0 x 0  Emelec Guayaquil – 10/08/1995 – Semifinal/ida; 
6.V – 2 x 0 Emelec Olímpico – 16/08/1995 – Paulo Nunes e Jardel – Semifinal. 

LIBERTADORES 2013:

7.D – 0 x 1  LDU Quito – 23/01/2013 – 1ª Fase/ida; 
8.V – 1 x 0 LDU Arena – 30/01/2013 – Elano – 1ª Fase/volta – Grê 5×4. 
 
*Mandante: 4 vitórias, 100% contra equatorianos…
*Visitante: 1 vitórias, 2 empates, 1 derrota.

Opinem.

 

Inter ganha fora de casa e acaba com invencibilidade do Juventude

Inter ganha fora de casa e acaba com invencibilidade do Juventude

O Internacional ganhou pelo placar mínimo de um dos líderes do campeonato gaúcho, mas de uma maneira incontestável.

A equipe do Juventude perdeu a invencibilidade no certame e não pode se queixar de nada. A derrota foi na bola e com uma atuação elogiável dos visitantes.

Os únicos chutes dos donos da casa, com exceção de uma cabeçada no final do jogo,  foram de fora da área através de Dieguinho e Kayron.

Argel conseguiu pela primeira vez no ano o equilíbrio de todos os setores da equipe, com exceção da reta final do clássico quando houve uma pressão maior.

O discutido Ânderson fez uma boa partida e Dourado, como primeiro homem de marcação, se destacou. Fabinho foi discreto como segundo volante.

O gol foi marcado no final do primeiro tempo,  após um lançamento em profundidade de Ânderson para Artur pelo lado esquerdo de ataque.

Artur recebeu, driblou num espaço curto à marcação, e cruzou alto para o segundo pau. A bola chegou na cabeça de Sasha que não perdoou. Inter 1 x 0.

Fora de casa o Internacional não vencia desde 18 de outubro de 2015, na vitória de um a zero em cima do Flamengo, pelo campeonato brasileiro.

Depois do jogo com o clube carioca, o time tinha disputado cinco jogos fora do Beira-Rio com duas derrotas e três empates.

Além de Artur, Dourado e Ânderson também fizeram boa partida Paulão e Ernando, além de Andrigo.

O próximo compromisso será na Arena contra Grêmio num jogo que está sendo encarado como uma final de copa do mundo.

Para esta partida, Bob vai seguir de fora e as dúvidas ficam dirigidas para as recuperações de Vitinho e Marquinhos.

No Alfredo Jaconi(2008 – 2015), segundo o Google Man:  Juventude 1×0 (única derrota do Inter no Gauchão c/Aguirre) 2015 – Inter 3×1 (amistoso) 2011 – Inter 2×1 com Falcão 2009 – 3×3 2008 – Juventude 1×0 (1ª partida da final do Gauchão, depois deu Inter 8×1 no Beira-Rio)

Luan marca, Grêmio vira o jogo e ameniza a pressão

Luan marca, Grêmio vira o jogo e ameniza a pressão

A vitória de virada de quatro a dois em cima do Glória de Vacaria pode ter diminuído a desconfiança da torcida, mas não a do blogueiro.

O Grêmio continua a perder chances e chances de marcar, me parece lento no meio e a defesa é superada a cada partida pelos dois lados.

Roger Machado está com dificuldades de recuperar o desempenho apresentado, especialmente, no primeiro turno do Brasileirão do ano passado.

No últimos cinco jogos contra adversários nada expressivos, o time sofreu a impressionante marca de nove gols, média de quase dois por partida.

Maicon e Giuliano me parecem atravessar um momento difícil. Luan é o mais técnico ao lado de Douglas e, por isso, ambos são visados por parte da galera.

Os três pontos deste sábado foram muito mais pela incompetência dos visitantes do que pelas virtudes dos locais, além das defesas de Grohe.

Os laterais gremistas têm sérias dificuldades de apoiar e são envolvidos frequentemente nos contra-ataques.

Pelos lados o Glória quase marcou o terceiro gol,  quando estava dois a dois. Mas foi um resultado importante.

De qualquer maneira, o Grêmio não está permitindo que os líderes São José e Juventude aumentem a distância na tabela de classificação.

Neste momento, o clube da capital chegou aos 15 pontos contra 16 dos dois adversários que estão ponteando o campeonato.

Grêmio perde pela segunda vez em seis jogos pelo Gauchão

Grêmio perde pela segunda vez em seis jogos pelo Gauchão

Nesta quinta-feira estaremos tanto na rádio Gre-Nal como no SBT ESPORTE analisando a partida do time misto do Grêmio, em Rio Grande.

Chegamos na sexta rodada do campeonato gaúcho e, após os resultados desta quarta-feira, o São José voltou a liderança da competição.

O Juventude, que  empatou fora de casa com o Ypiranga, é o vice-líder e o Grêmio aparece na quarta colocação, depois de perder de virada para o São Paulo.

Talvez, o que possa amenizar o fracasso desta quarta, no Aldo Dapuzzo, seja o fato do time titular ter sido boa parte dele preservado.

Nesta quarta, os visitantes estiveram por duas vezes na frente no marcador. Mas, a defesa vacilou,  Grohe andou falhando e o placar final foi S. Paulo 3 x 2 Grêmio.

Inegavelmente, a fase não é boa. O momento é preocupante. O Grêmio terá jogos decisivos nos próximos dias pela Libertadores e precisa de confiança.

Ou estou exagerando? Por favor, opinem!

 

Inter perde invencibilidade no Beira-Rio para um dos lanternas do Gauchão

Inter perde invencibilidade no Beira-Rio para um dos lanternas do Gauchão

Após a vitória do Internacional diante do Cruzeirinho, da grande Porto Alegre, escrevemos aqui no blog da fragilidade do adversário.

Lembramos que o campeonato gaúcho não é parâmetro para a gente saber se um time está ou não no caminho certo em termos de desempenho.

Especialmente uma equipe essencialmente de garotos como é a do Internacional. Há que se ter muita calma para se evitar conclusões precipitadas.

Nesta quarta, a defesa vazou e um dos últimos colocados da competição virou o jogo para 1 x 2 e acabou com a  invencibilidade de 21 jogos dos locais no Beira-Rio.

A última derrota tinha sido diante do Flamengo pelo Brasileiro do ano passado pelo placar de 2 x 1 com dois gols de Guerreiro.

Continuo achando a equipe alvirrubra mais dinâmica e rápida nos movimentos de defesa e ataque, mas a qualidade individual de cada um ainda precisa ser avaliada.

Projetando um futuro próximo, podemos dizer o seguinte: Alisson vai embora e é preciso repensar o substituto. O miolo de zaga é inseguro e Ânderson inconfiável.

A curiosidade é que o único título conquistado pelo ex-zagueiro colorado Argel foi justamente em cima do Veranópolis, em 1994.

Cláudio Duarte treinava o Inter e o atual campeão brasileiro, Tite, comandava o VEC. E mais: Luiz Carlos Winck era o lateral direito do Colorado.

 

EDITADO: INTER x VERANÓPOLIS NO BEIRA-RIO (GAUCHÃO – 1994-2015)

Até a partida desta quarta tinham sido 12 jogos com 12 vitórias do Inter, no Beira-Rio.   Portanto, uma data histórica a desse 24 de fevereiro.  Foi a primeira vitória da equipe serrana no estádio do Internacional. Os dados são do historiador Daison Sant’Anna.

Preparem os seus corações!

Preparem os seus corações!

O grupo do Grêmio é o mais difícil já enfrentado por um time gaúcho na história da Libertadores. Está certo classificá-lo como grupo da morte.

Tem três campeões da América, sendo que dois recentes, duas viagens longas (México e Equador), dois tipos de altitude e um representante argentino.

A vitória desta terça em Quito da equipe da LDU por dois a zero em cima do San Lorenzo, nada muda a dificuldade de classificação.

O professor Tristão Garcia ainda não fez qualquer cálculo, mas acha que até foi boa a vitória equatoriana.

O Grêmio precisa vencer os jogos na Arena e, talvez, tenha que ganhar fora de casa uma das duas que restam longe daqui.

Um agravante é que os donos da casa fizeram dois gols nas vitórias do grupo seis. Ou seja, o Grêmio vai precisar fazer gols em casa.

O certo é que não será nada fácil uma classificação, apesar de ter ainda muita água por passar por debaixo da ponte.

Nesta semana vou tentar saber sobre o que fará o Grêmio depois do Grenal do dia seis de março.

Será um clássico valendo por duas competições. Se o Grêmio ficar de fora, pode estar colocando a chance real de título no primeiro semestre pela janela.

Ao Internacional não resta outra coisa a não ser matar o Grêmio em duas competições e secar por eliminação tricolor na competição sul-americana. Concordam?

Portanto, preparem os seus corações para um clássico DECISIVO no início do mês que vem. O semestre das duas maiores equipes do Estado poderá estar em jogo.

Opinem.

 

 

 

O que quase ninguém diz: o Inter parece estar melhor sem D’Alessandro

O que quase ninguém diz: o Inter parece estar melhor sem D’Alessandro

Não foi uma e nem duas vezes que a gente falou aqui no blog que o argentino D’Alessandro dificultava a vida do Internacional.
 
Respeitosamente falando,  até porque sabemos da idolatria que boa parte da torcida tinha e tem pelo ex-camisa dez da equipe.
Se houve ou não planejamento, o certo é que o Inter atual está renovado.  Talvez, pelas diversividades de coisas que se sucederam o time esteja  mais veloz, dinâmico e jovem.
Por isso, discordo da direção e do corpo técnico quando afirmam que ainda falta um substituto para D’Alessandro.
Penso que o futebol moderno pode dispensar jogadores do estilo dele e de tantos outros como, por exemplo,  Douglas, Danilo e Ganso.
 
Se a gente observar o caso específico do Danilo, vai notar a inteligência do senhor Adenor Bachi (Tite), que o escala praticamente com um centroavante no Corinthians.
No momento, o Inter precisa é de um zagueiro xerifão. Deve dar mais tempo para o Aylon, antes de trazer um novo camisa nove, e pensar num substituto para Alisson.
 
Uma curiosidade sobre o Veranópolis, adversário de quarta, no Beira-Rio, pelo campeonato gaúcho.
Em 1994, o atual técnico colorado era zagueiro titular do Internacional. Naquele ano, Argel foi campeão gaúcho justamente diante do Veranópolis.
 
Inter 1×0 Veranópolis. Argel campeão gaúcho contra o Veranópolis treinado pelo até então desconhecido Tite.
Grêmio volta a vencer

Grêmio volta a vencer

A dificuldade gremista, apesar da vitória de um a zero sobre o defensivo Novo Hamburgo, é conhecida desde o ano passado.

Nada a ver com o que disse  parte da grande mídia. Falaram, após algumas atuações positivas e, depois,  mais vulneráveis, que o time tinha se tornado previsível.

O Grêmio e esquadrão nenhum se torna presumível, na atualidade. Bons times têm alternativas e todo mundo conhece todo mundo.

O que sempre se disse no blog é que a equipe atual foi formada pelo Felipão e o Roger deu sequência ao trabalho. Não houve nenhuma magia.

Com mais paciência, novos métodos e muito  diálogo e coerência. Mas Roger é jovem e tem muita coisa a melhorar ainda como treinador.

Aliás, algo dito aqui durante a grande fase de 2015, quando alguns chegaram compara-lo com o astro Guardiola. Lembram do Pep GuardiRoger?

Agora, a vida voltou ao normal. Penso que isso é bom para o Grêmio e o seu jovem comandante.

A situação está difícil por causa dos laterais que não estão bem, da ausência de Walace, e da instabilidade de Douglas, Luan e o garoto Éverton. È simples.

Em jogos contra defesas bem postadas muitas vezes faltam os lances do enfrentamento individual, da iniciativa ou do partir para cima.

Com a vitória magrinha de um a zero com gol de Bobo, que entrou no lugar do discreto Henrique Almeida, o time voltou a terceira colocação do Gauchão.

Próximo compromisso será pela sexta rodada em Rio Grande diante do São Paulo na zona sul do Estado.

Público total na Arena, neste domingo de forte calor: 9.965 torcedores. Opinem.

Ânderson marca o seu segundo gol pelo Inter e time goleia o lanterna

Ânderson marca o seu segundo gol pelo Inter e time goleia o lanterna

Ânderson marcou o seu segundo gol desde que chegou no Internacional e o time goleou o lanterninha do campeonato.

Com total liberdade em campo o meia esquerda fez uma boa apresentação. Mas ainda demonstrou desconcentração em vários momentos.

Na verdade, o presidente Vitorio Piffero segue esperando uma proposta concreta para se desfazer do jogador. A torcida aplaudiu quando ele foi substituído por Alex.

Além de Ânderson, também, se aproveitaram da fragilidade do adversário e compareceram no placar, os garotos Aylon, Alisson Farias e Andrigo.

Aliás, Alisson Farias marcou um verdadeiro golaço no segundo tempo, após um objetiva e rápida jogada individual. Placar final 4 x 0.

O problema do Internacional e, também, do Grêmio  é justamente saber se a garotada é realmente confiável.

A competição historicamente tem enganado em termos de avaliação de desempenho. O Gauchão já foi chamado de campeonato “engana bobo”.

O próximo compromisso será diante do Veranópolis, na quarta-feira, de novo, no Beira-Rio. Neste sábado, 10.281 presentes como público total.

A equipe chegou a incrível marca de 20 jogos sem perder em casa, em 5 competições e chegou na terceira posição no Estadual com 11 pontos.

A última derrota nos seus domínios foi para o Flamengo, dia 8 de julho, pelo Brasileirão. Inter, de Aguirre 1×2 Flamengo.

Opinem.

 

 

 

 

 

Roger x Argel – O técnico colorado tem vantagem

Roger x Argel – O técnico colorado tem vantagem

Fizemos com o Google Man uma pesquisa sobre o desempenho de Roger Machado x Argel Fucks, desde o início de cada um dirigindo Grêmio e Internacional, respectivamente.

Vocês verão que a diferença é muito pequena em favor do técnico colorado, mas muito pequena para que alguém possa se vangloriar com a vantagem.

Primeiro vejam o aproveitamento de Roger que vai completar 50 jogos na partida diante do Novo Hamburgo:
*Mandante: 24 jogos; 16 vitórias, 4 empates e 4 derrotas = 72,22%
*Visitante: 25 jogos; 10 vitórias, 7 empates e 8 derrotas = 49,33%
Total: 49 jogos; 26 vitórias, 11 empates e 12 derrotas = 60,54%

Agora, o aproveitamento de Argel, antes de encarar a equipe do Cruzeiro neste sábado:
*Mandante: 16 jogos; 13 vitórias e 3 empates = 87,5%
*Visitante: 14 jogos; 3 vitórias, 4 empates e 7 derrotas = 30,95%
*Neutro; 2 jogos; uma vitória e um empate = 66,66%
Total: 32 jogos; 17 vitórias, 8 empates e 7 derrotas = 61,45%

Opinem.